10 motivos pelo qual a psicoterapia funciona
Psicologia & comportamento

10 motivos pelos quais a psicoterapia funciona

A eficácia do tratamento psicológico já é conhecida há várias décadas. As recentes tecnologias de mapeamento cerebral vêm demonstrando como a psicoterapia age transformando o funcionamento cerebral para melhor. Contudo, citarei abaixo 10 motivos pelos quais a psicoterapia funciona:

1. Ao dividir um problema você passa a ter “meio” problema. Compartilhar ajuda a aliviar a carga emocional e o sofrimento.

2. Os vínculos de ajuda têm um poder curativo. É mais fácil superar as dores através de uma relação autêntica de respeito mútuo do que sozinho. A relação terapêutica é uma relação de ajuda, de compreensão e apoio.

3. O psicólogo clínico (psicoterapeuta) é um outro, com o olhar e a perspectiva de um outro, o que lhe ajudará ver a sua vida de um modo diferente, lhe fazer perguntas diferentes, ajudá-lo a perceber as coisas de um ângulo que você não tinha visto antes e nem suspeitava ser possível. Assim, a psicoterapia faz você parar para refletir sobre a própria vida. Parar, observar e refletir permite muitas mudanças de orientação, sentido, rumo e aprofundamento da experiência de vida.

4. O psicoterapeuta conhece teorias psicológicas que ajudam na compreensão do que ocorre com você, auxiliam a identificar o que pode estar errado em sua vida, a direção que você está seguindo e as mudanças de rumo necessárias. A partir de seu conhecimento, o psicólogo pode apontar o que olhar, como olhar e o que fazer com o que se descobre, para que estas descobertas possam ser construtivas em sua vida.

5. O psicoterapeuta conhece métodos de investigação que tornam possível descobrir aspectos da sua personalidade que seriam inacessíveis a uma observação não treinada ou a uma conversa comum. Há um amplo espectro de técnicas de investigação psicológica que permitem esclarecer problemas de modo extremamente eficaz.

6. O psicoterapeuta domina técnicas terapêuticas que ajudam a realizar mudanças psicológicas profundas.

7. O psicoterapeuta está preparado para te compreender a partir do vínculo que você estabelece com ele, das respostas emocionais que você suscita nele. Em seu treinamento ele afinou a si mesmo como instrumento de trabalho para reconhecer pequenas nuances do que você mostra na relação com ele (e consequentemente com ”os outros”) e assim poder compreender seus modos de vinculação e suas dificuldades nos relacionamentos.

8. O psicoterapeuta é capaz de oferecer uma presença autêntica no vínculo com você. Esta relação funciona como catalisador de processos de mudança necessários em sua vida, incluindo a superação dos efeitos de traumas de relacionamentos anteriores.

9. O psicoterapeuta passou por todos estes passos anteriores, tendo estado em todos os papéis, como cliente, como profissional e como observador, o que o habilita a “sentir-se em casa” em situações difíceis, poder caminhar por terrenos inóspitos, cheios de sofrimento e problemas emocionais e saber ajudar seu cliente a encontrar um caminho de melhora.

10. O psicoterapeuta inicia seu cliente num caminho de transformação pessoal. Isto é possível porque o psicoterapeuta tem um know-how, um saber fazer que vai além do conhecimento formal, da teoria e da técnica. É um saber baseado na experiência, experiência de vida e experiência da clínica.

Referências:

ARAUJO, R. B.; PICCOLOTO, N. M.; WAINER, R. In. DESAFIOS CLÍNICOS EM TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL. Terapia Cognitivo-comportamental como auxílio à prevenção do suicídio. Casa do Psicólogo, 2013. v.1, p. 155-163.

BECK, Aaron T. et al. Terapia cognitiva da depressão. Rio de Janeiro, 1997, v.1, p. 362.

BECK.J.S. Terapia Cognitiva: Teoria e prática. Porto Alegre: Artmed, 2007.

Nações Unidas. Depressão é tema de campanha da OMS para dia mundial da saúde de 2017. https://nacoesunidas.org/depressao-e-tema-de-campanha-da-oms-para-dia-mundial-da-saude-de-2017.

TEODORO, W. L. G. Depressão: corpo, mente e alma. 3 ed. Uberlândia: 2010, 240 p.
World Heath Organization. Depression: Let’s talk. http://www.who.int/mediacentre/news/releases/2017/world-health-day/en/

WRIGHT, Jesse H.; et al. In. TERAPIA COGNITIVO-COMPORTAMENTAL DE ALTO RENDIMENTO PARA SESSÕES BREVES. Tratando a desesperança e a suicidalidade. artmed, 2012. v.1, p. 128-145.

Leia também:

Sobre o autor/a autora

José Geraldo
José GeraldoPsicólogo

Psicólogo Clínico formado pelo Unileste-MG e especializando em Terapia Cognitivo-Comportamental pelo NEPSI-Ipatinga. Trabalha com atendimento terapêutico e orientação psicológica com adultos e adolescentes. Atualmente atua em consultório particular e no CRAS. Acredita que não é a situação que determina o tamanho do sofrimento do sujeito; é a sua percepção sobre a mesma, se baseando em formas de pensar e crenças adquiridas ao longo da vida. Seu trabalho consiste em ensinar o cliente a questionar e reestruturar pensamentos e crenças desadaptativas através de técnicas estruturadas da TCC, com eficácia cientificamente comprovada para, consequentemente, melhorar a sua qualidade de vida.

Escreva um comentário

Clique aqui para postar um comentário

Curta Caminhos no Facebook

549