Ansiedade, uma pressa sem explicação
Desenvolvimento Pessoal

Ansiedade, uma pressa sem explicação

Não adianta sofrer por antecedência, querer tudo perfeito, planejar a melhor saída e buscar explicação onde não existe, porque quando sua ansiedade fala mais alto, tudo desmorona. Somos pessoas ansiosas querendo comer o mundo.

Por Simone Guerra

Falta de paciência. Irritação. Choro sem explicação. Medo. Pensamentos confusos. Amor na contramão. Tantas coisas ao mesmo tempo, e só você mesmo para dar conta de toda situação. Ninguém é de ferro, e todo mundo pode dar conta de viver.

Tem dias que parecem intermináveis e que o pôr-do-sol nem beleza tem, porque dentro da gente, existe um turbilhão de sentimentos, problemas e insatisfações. O dia não passa, seu humor está a mil, sua vontade de mandar tudo para o espaço, está tentando aquietar para não entornar.

Não adianta sofrer por antecedência, querer tudo perfeito, planejar a melhor saída e buscar explicação onde não existe, porque quando sua ansiedade fala mais alto, tudo desmorona. Somos pessoas ansiosas querendo comer o mundo.

A ansiedade nos escraviza e nos limita. Além de mexer com o ritmo de vida, deixa traços no nosso corpo e na nossa rotina. Não tem como não se envolver por dias ansiosos, mas estar sofrendo com a ansiedade é hora de procurar um especialista.

Ansiedade, uma pressa sem explicação, não se resume apenas a roer unhas, comer os cantos dos dedos, balançar as pernas, arrancar os cabelos, sentir o coração batendo forte e rápido, perder o sono… estes sintomas são alertas, mas tem tantos outros que sentimos e não damos conta que estamos em estado de ebulição: falta de ar, procrastinação do que precisa ser feito, preocupação, medo constante, dificuldade de concentração, dor de barriga, etc. São tantos sintomas variados e tantas pressas para nada, que acabamos nos envolvendo nessa pressa de corpo e mente e à toa.

Ansiedade, uma pressa sem explicação

Essas doenças do mundo moderno tem incomodado a vida tranquila e prazerosa das pessoas. Cada vez mais, existe uma cobrança íntima maior do que a vontade de viver e o mundo agitado consome quem trabalha. Culpa de ninguém. A culpa é sua que muitas vezes que não permite fugir para se encontrar. É importante tirar um momento para se refugiar dentro de você, de dar um tempo para as suas emoções, de fazer amor com o seu íntimo, de acarinhar suas vontades, de abraçar seus pensamentos, de beijar suas necessidades e dar as mãos para os seus medos e limitações. Quem se encontra consigo mesmo, consegue se equilibrar de alguma forma.

Todo mundo já sentiu algum tipo de ansiedade, teve vontade de desaparecer, sentiu fora do eixo, ficou deprimido, chorou escondido debaixo do chuveiro, engoliu um segredo e fingiu que estava tudo bem, porque ser humano é também ser estranho.

Nem sempre temos explicações para os dias estranhos, para o que sentimos, para as aflições que enfrentamos, para as desinquietações que nos confrontam, mas não podemos perder a graça de existir e viver adoidado. É muito frustrante ver pessoas ingratas e sem emoções nos dias.

Quando não estamos dando conta de existir, ou que sentimos aquela fadiga desesperadora de não estar satisfeito, ou que não sentimos completos, decretar falência e procurar ajuda, é a melhor situação. A ansiedade precisa de colo, tratamento, paciência e entendimento. Saber lidar com a falta de controle, tudo acelerado e fora de órbita, exige uma vontade de sair de tantos sintomas estranhos e dar um basta em tudo que nos atrapalha para vivermos de fato.

Sobre o autor/a autora

Simone Guerra
Simone GuerraAutora do blog “Entre Palavras e Sentimentos”
Simone Guerra, mãe, educadora, escritora ao vento, amante da Literatura e apaixonada por livros. Premiada em concursos literários e pedagógicos. Autora do blog “Entre Palavras e Sentimentos”. Co-autora do livro “Vestidas de Palavras”. Autora do romance “Recomeçar Sem Medo”. Colunista do site Caminhos.

Escreva um comentário

Clique aqui para postar um comentário

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Caminhos no Facebook




367