Felipe Bueno

Semioticista — atuo na área de pesquisa em semiótica peirceana e psicanálise lacaniana.

ELE pode ganhar, mas NÃO teria viabilidade de ficar

Uma análise do tabu dos soberanos sobre o fenômeno Bolsonaro

A comunicação, a psicanálise e o consumo

Um breve ensaio sobre o consumidor segundo as relações entre a comunicação e a psicanálise.

O hábito alimentar depende de uma condição humana ou apenas social?

Se seres humanos, deliberadamente, vão ao mercado para comprar produtos de tal ou tal linha, certamente esse ato de se alimentar é baseado num gosto já trabalhado e desenvolvido por meio das fantasias individuais

Pensamentos selvagens

Um pensamento selvagem é aquele tipo de ideia rebelde que surge na mente, mas que desconcerta o sujeito.

A função paterna estaria em declínio?

Existe uma queda da função paterna nos dias atuais? Pois a figura do pai austero, repressor, que impõe a lei dentro de casa, está sistematicamente ruindo diante de inúmeros discursos e cedendo um espaço para o surgimento de novas formas de tal imago.

O Bullying mata o corpo e a alma e é urgente falar sobre isso

Neste momento, inúmeros jovens sofrem calados com a perversidade do bullying, que intimida as vítimas e as leva a buscar uma saída possível, ou um fim.

Pais infalíveis, filhos machucados.

O que muitos pais não compreendem é que o narcisismo na relação com seus filhos pode criar um peso tão grande que pode levá-los à depressão. Filhos machucados interiormente, nesse sentido, acabam por revelar relações dolorosas sobre pais e mães insaciáveis quanto ao amor que pretendem receber.

Sentir-se menos importante também é um recurso de vida

Quantas vezes somos abarcados por pensamentos, que geram angústia e ansiedade, teimando em fazer com que sejamos sujeitos cada vez mais perfeitos para a sociedade? Desde cedo somos cobrados para sermos os melhores, servindo de exemplo aos demais. Mas, até que ponto isso é sano?

O “ser” e a ruína dos relacionamentos

De desculpa em desculpa, de acusação em acusação um relacionamento vira pó, esvai-se. Lidar com o outro é certamente uma das tarefas mais difíceis, mais penosas e muitas vezes mais desgostosas que podemos experimentar no curso de nossas vidas

Conecte-se!

Siga a página de Caminhos no Facebook e acompanhe as publicações do site.

Comente via Facebook