Contioutra
Cotidiano

Chutar o balde, todo mundo chuta. Difícil é pegar a vassoura e ajudar na casa.

Chutar o balde, todo mundo chuta. Difícil é pegar a vassoura e ajudar na casa.
É tarefa difícil oferecer ajuda de verdade, pensar junto, fazer pelo outro mais do que apenas criticá-lo. Tem gente achando bonito ser truculento, mal educado e inconveniente em nome de um duvidoso desejo de ajudar.

É difícil, sim. Oferecer ajuda de verdade, pensar junto, fazer pelo outro mais do que apenas criticá-lo é tarefa dura, trabalho pesado. Em pleno século 21, tem gente achando bonito ser truculento, mal educado e inconveniente em nome de um pretenso e duvidoso desejo de ajudar.

Você sabe como é fácil chutar o balde, né? Vê quanta gente assanhada pra ver o circo pegar fogo? É tanta boa intenção infernizando a vida alheia, tanto bom-mocismo apontando o dedo, plantando cizânia e puxando o tapete, tanto vigarista disfarçado de salvador da humanidade que os canalhas deviam se preocupar: eles estão perdendo mercado.

Do nada, toma forma na sua frente um sujeito qualquer e anuncia: “agora eu vou chutar o balde”. E dá-lhe esculhambação, clichês medonhos, chavões idiotas em nome da moral e dos bons costumes. Dá-lhe hipocrisia cuspida em nossa cara por alguém que se acha perfeito e não tem o menor pudor em julgar quem quer que seja.

 

Cá entre nós, chutar o balde todo mundo chuta. Duro é passar a mão numa vassoura e ajudar na limpeza da casa. Apontar o dedo é fácil. Estender a mão é que são outras.

A questão é: quem tem tanto tempo para cobrar qualquer coisa dos outros bem podia gastar um minuto ou dois pensando no que fazer para mudar o que acredita estar errado. Fazer e não cobrar somente. Realizar e não tagarelar. Corrigir e não julgar. Dar o exemplo e não um pontapé no balde.

Quem fala sem ouvir e age sem pensar mais atrapalha do que ajuda. Chutar o balde e sair andando, sem a menor disposição de arrumar a bagunça que vai deixar na casa alheia não é ser voluntarioso nem comprometido. É ser um canalha em pele de gente boa.

Leia também:

Cuidado com a carência: ela costuma ver amor onde não tem.

Prefiro me decepcionar todos os dias que viver sem expectativas

Ninguém precisa ser grosseiro para ser sincero. Gentileza é bom e todo mundo gosta.

De que adianta falar quatro idiomas e não dizer “bom dia” no elevador?

 

Gostou? Compartilhe! Obrigado 🙂

Sobre o autor/a autora

André J. Gomes
André J. GomesRevista Letra

Jornalista de formação, publicitário de ofício, professor por desafio e escritor por amor à causa.


Curta Caminhos no Facebook

Você gosta de escrever? Seja um colaborador do site!
Clique aqui para mais informações


Escreva um comentário

Clique aqui para postar um comentário

Curta Caminhos no Facebook

3.0K