Contioutra
Psicologia & comportamento

Nos altos e baixos é que se faz a vida

altos e baixos
A vida é feita de altos e baixos, a vida é feita de momentos felizes e outros nem tanto. Um grande desafio é aprender a lidar com esse paradoxo.

Esses dias escutei uma frase que me chamou muita atenção: “Desistimos de relacionamentos por querermos ser felizes o tempo inteiro” e assumo que ela me fez pensar!

Não sei se você vai concordar comigo, mas uma coisa que percebo é que as pessoas andam cada vez mais impacientes com o “lado b” da vida, em uma era em que estamos tão conectados as redes sociais – em que tudo é lindo o tempo todo – parece que as pessoas perderam a capacidade de lidar com as situações que não são tão lindas assim no dia a dia. Se o trabalho não está bom, é melhor sair, se o curso da faculdade não é tão interessante, é melhor mudar de faculdade, se o namorado tem algum defeito, logo já se pensa que é melhor terminar e achar alguém melhor – sendo que é possível que se encontre alguém que não tenha aquele defeito, mas com certeza terá outros!

Sim, devemos ser felizes, é preciso buscar a felicidade, a vida é hoje e devemos aproveitá-la… mas isso me faz ter a impressão que falamos de adultos que são, na realidade, crianças mimadas, que não sabem lidar com os problemas que aparecem e acabam achando melhor fugir dos mesmos do que se empenhar para através do problema construir uma nova realidade, muitos sonhos são deixados pelo caminho quando aparecem os obstáculos.

Se pensarmos em um relacionamento de anos, será mesmo que as pessoas que estão juntas se dão perfeitamente bem em tudo e que o parceiro não tem nenhum defeito que deixa a outra pessoa de cabelo em pé?! Olha, eu acho que não hein! Pelo contrário, acredito que eles aprenderam a lidar, permitindo assim que um possível motivo de afastamento se tornasse um degrau para a construção de um relacionamento mais unido. Pois, o relacionamento precisa ser construído, não é algo que “vem pronto”, assim como tudo na vida.

Um dia desses estava conversando sobre esse assunto e pensei em um exemplo: uma reforma. Pense comigo: você comprou a casa dos seus sonhos e resolveu contratar um arquiteto, ele fez a planta de todos os cômodos e tudo vai ficar exatamente como você sonhou! Mas, para que isso aconteça, algumas coisas precisam ser feitas: destruir algumas partes da casa que não serão aproveitadas no novo projeto, comprar o material, contratar a mão de obra e então esperar a reforma ser concluída. Aí eu te pergunto: existe alguma alma nesse mundo que não se irrita nesse processo? Olha, eu duvido! Se você conhecer, me apresente!

Brincadeiras à parte, o que eu estou querendo dizer é que a vida é feita de altos e baixos. É importante que a gente possa aprender a lidar com os momentos que não são tão bons, a tolerar as pessoas que não nos agradam o tempo todo, a lembrar que nós mesmos também temos os nossos defeitos e odiaríamos que alguém que a gente ama desistisse de nós por causa deles.

 

Não estou dizendo que devemos aceitar tudo! Longe de mim, dizer isso! Existem coisas na vida que não podemos aceitar de maneira alguma como abusos, agressões e humilhações. Esse tipo de coisa não precisa ser nem cogitada qualquer possibilidade contrária. Assim como se a pessoa não é feliz em um curso universitário ou está infeliz no trabalho, sim é preciso correr atrás daquilo que faz sentido e faz com que exista a motivação para continuar em frente, aquilo que faz o coração bater mais forte!

Mas o coração bater forte não significa só ter momentos bons, lembro-me que no dia da minha formatura minha professora falou que sabemos que uma pessoa está viva quando olhamos no eletrocardiograma e vemos que o indicador verde está para cima e para baixo, caso contrário os médicos e enfermeiros são chamados, pois a pessoa está entrando em óbito!

altos e baixos

A vida é feita de altos e baixos, a vida é feita de momentos felizes e outros nem tanto. Um grande desafio é aprender a lidar com esse paradoxo e enxergar que mesmo nos momentos não tão bons é preciso pensar: devo desistir ou devo continuar? Estou desistindo por que estou sem paciência de lidar com os momentos difíceis ou realmente isso não faz sentido? Existe uma enorme diferença entre esses exemplos e aquelas pessoas que são eternos insatisfeitos, que desistem de tudo e acabam com uma lista de coisas inacabadas e relacionamentos pela metade.

Sei que pensar nisso pode ser difícil e incômodo, mas acredito que poder abrir essa possibilidade em sua vida, vai permitir que você possa refletir mais sobre como se portar diante dos problemas!

Até a próxima!

Julia Lainetti

Psicóloga apaixonada pela profissão, mas que decidiu abrir mão do consultório presencial para realizar o sonho de morar fora do país. Pensando em brasileiros que também decidem tomar essa atitude fundou o site Psicologia Descomplicada onde trabalha com Psicologia Online e escreve sobre comportamento. Também é colunista do site Brasileiras pelo Mundo onde conta sobre a experiência de morar fora do Brasil. www.psicologiadescomplicada.com.br

Psicologia Descomplicada

Curta Psicologia Descomplicada no Facebook

 

 

Leia também:

A vida não é somente um filme de terror. É também uma história de amor!

Traição virtual é traição?

O mal do século não é a depressão, mas a falta de empatia

Chutar o balde, todo mundo chuta. Difícil é pegar a vassoura e ajudar na casa.

Gostou? Compartilhe! Obrigado. 🙂

 

Curta Caminhos no Facebook

Você gosta de escrever? Seja um colaborador do site!
Clique aqui para mais informações


Sobre o autor

Julia Lainetti

Julia Lainetti

Psicóloga apaixonada pela profissão, mas que decidiu abrir mão do consultório presencial para realizar o sonho de morar fora do país. Pensando em brasileiros que também decidem tomar essa atitude fundou o site Psicologia Descomplicada onde trabalha com Psicologia Online e escreve sobre comportamento. Também é colunista do site Brasileiras pelo Mundo onde conta sobre a experiência de morar fora do Brasil.

Escreva um comentário

Clique aqui para postar um comentário

Curta Caminhos no Facebook


Categorias

Arquivos