quarta-feira, 12 agosto 2020

“Não agrade os ingratos, nem sirva aos folgados”

Precisamos parar de tentar agradar aos ingratos, de servir gente folgada, de nutrir amizades duvidosas, para que possamos percorrer somente os encontros verdadeiros.
Início Pelo mundo O envio de cartas e pacotes para o Brasil: uma questão de sorte?

O envio de cartas e pacotes para o Brasil: uma questão de sorte?

- Caminhos recomenda -

Enviar algo pelo correio para o Brasil virou uma verdadeira loteria. Quando se envia uma carta ou um pacote para lá, nunca se sabe quando e nem mesmo se chega. Parece ser mesmo uma questão de sorte ou azar.

Aqui na Alemanha os correios já foram melhores, seus serviços pioraram muito nos últimos anos, principalmente após a privatização desse setor, mas ainda assim as coisas costumam chegar dentro do prazo indicado. Dentro do país, cartas são entregues no dia seguinte, no máximo em dois dias. Pacotes chegam normalmente dentro de 2 a 3 dias. Há serviços expressos com entrega mais rápida e acontece também de um pacote levar mais tempo para chegar. Sim, também aqui há atrasos, aqui também desaparece uma carta ou um pacote, mas isso é uma exceção, pois normalmente os correios daqui ainda trabalham de uma forma confiável. Mas no Brasil parece faltar esse profissionalismo. Pois bem, eu mesmo enviei há pouco tempo atrás um livro para uma amiga em São Paulo. Cheguei à agência dos correios na Chausseestraße e pedi para enviar como carta registrada, de forma que eu pudesse acompanhar sua trajetória. Perguntei quanto tempo demoraria até a carta chegar e a funcionária respondeu que ela não poderia informar com certeza, já que a entrega seria feita pelos correios brasileiros, mas disse que deveria demorar, no máximo, uma semana.

Uma semana depois, soube que a carta ainda não havia chegado. Fui ao site dos correios, primeiro da Alemanha, depois do Brasil e pesquisei seu paradeiro. A única informação que consegui foi a de que ela havia chegado em São Paulo 3 dias depois do envio. Tentei novamente alguns dias mais tarde e a carta se encontrava a caminho de Curitiba, onde ficou parada por algumas semanas. Mais ou menos um mês e meio depois, a carta foi entregue à destinatária em São Paulo. Ou seja, o correio alemão entregou a carta em São Paulo dentro de 3 dias. A carta, que era para ser entregue em São Paulo mesmo, ficou primeiro parada por lá e depois foi enviada para Curitiba, onde parou de novo, para voltar então para São Paulo e ser entregue com um atraso de mais de um mês! E posso considerar que tive sorte, pois a carta chegou no final das contas!

- Publicidade -

Um caso isolado? Não acredito! A internet anda cheia de relatos de brasileiros que vivem no exterior sobre suas experiências com os correios no Brasil. As experiências são as mais diversas. Alguns dizem que enviam sem problemas e que as coisas chegam, outros contam como seus pacotes simplesmente desapareceram ou pior ainda: como caixas foram abertas, saqueadas e depois entregues (quase) vazias. Observando os relatos, parece ser comum que pacotes ou mesmo cartas demorem meses para chegar e tudo indica que o extravio de correspondências, principalmente vindas do exterior, faça parte do dia-a-dia dos correios brasileiros.

O remetente tem a possibilidade de fazer um seguro que, em caso de perda, reembolsa os custos materiais, mas o problema é que esse seguro jamais ressarcirá o tempo perdido e o carinho investido, por exemplo, na escolha de presente que foi enviado, nunca compensará o tempo perdido para providenciar o documento extraviado e não há dinheiro no mundo que substitua uma carta ou um cartão pessoal, escrito especialmente para alguém.

Para mim está evidente que os correios brasileiros estão trabalhando mal. Não podemos falar de profissionalismo de uma empresa se ela não cumpre o que promete, se a entrega de algo enviado vira questão de sorte, sem que ninguém saiba o que acontecerá depois com a carta ou o pacote, já que nem o sigilo postal é respeitado. Os relatos de brasileiros na internet me fazem ter a impressão de que as coisas enviadas para o Brasil correm um grande risco de passar pelas mãos de funcionários não muito corretos, gente que abre, rouba e destrói as correspondências.

E não podemos culpar somente os Correios pelos atrasos. Sabe-se que a Receita Federal também tem sua participação na demora.

O pior de tudo é que envios para o Brasil são extremamente caros e terminamos pagando um valor muito alto por um serviço ruim, gastamos muito sem nenhuma certeza de que as coisas enviadas irão realmente chegar.

Os Correios têm conosco, clientes que pagam por seus serviços, uma relação que vai muito além de mero negócio com nossas cartas e pacotes. É uma relação de confiança: confiamos nossas coisas a essa empresa, nossos presentes para pessoas queridas, nossos documentos, nossa correspondência pessoal… O mínimo que se pode esperar é que essa empresa trabalhe de forma profissional, tratando com um pouco mais de respeito e responsabilidade aquilo que entregamos em suas mãos. Só que os Correios no Brasil parecem quebrar essa confiança constantemente, o que é vergonhoso para o país. E isso retrata toda uma mentalidade de não levar as coisas muito a sério e, principalmente, de impunidade, que parece ter contaminado também os Correios.

 

Curta a página do autor no Facebook

- Publicidade -

A autora/o autor:

Avatar
Gustl Rosenkranzhttps://gustl-rosenkranz.de/
Blogueiro apaixonado por palavras, viciado em escrever, sem luvas, tocando no assunto, porque gosta e porque precisa.
Comente via Facebook

Latest Posts

Muitos sobreviverão à Covid 19, mas permanecerão mortos por dentro

Muitos sobreviverão à Covid 19, mas permanecerão mortos por dentro. E o pior é que teste médico algum é capaz de diagnosticar isso.

Ser gay é falta de gás carbônico

A teoria de que para ser gay nasta respirar pouco gás carbônico, com exemplos concretos e muita ironia. Vale a pena a leitura, mais ainda a reflexão.

Fique com alguém que você aceite. Ninguém muda ninguém.

Aceitar não quer dizer que você deve ser permissivo com aquilo que te faz mal. Significa que você deve analisar bem aquilo...