sexta-feira, 29 maio 2020

“Não agrade os ingratos, nem sirva aos folgados”

Precisamos parar de tentar agradar aos ingratos, de servir gente folgada, de nutrir amizades duvidosas, para que possamos percorrer somente os encontros verdadeiros.
Início Tags Humanidade

Humanidade

O único animal que mata por ódio é o bicho homem

Não existe nenhum ser capaz de odiar como o homem. Odeia semelhantes, dessemelhantes e afins. Odeia plantas, flores, florestas, gatos, cães. Apesar de carregar o mundo dentro de si. Apesar do amor que tentam lhe ensinar. E mata. E se mata. E acabará exterminando a si mesmo.

África: o ventre da humanidade

Todos nós somos descendentes de africanos, inclusive você! Se queremos honrar/respeitar nossas origens, devemos então honrar/respeitar principalmente a África, que é a origem de todos nós.

A gentileza é o sorriso do coração.

"O mundo já sofre com tragédias demais para que ignoremos o bem que podemos fazer, contribuindo a que a vida se torne menos fria e descolorida. A gentileza é, por isso, imprescindível, pois contagia, espalha-se, multiplica-se, cura, tornando-nos mais felizes, mais humanos, mais gente."

Declaração Universal dos Direitos Humanos

A Declaração Universal dos Direitos Humanos (DUDH) é um documento marco na história dos direitos humanos. Elaborada por representantes de diferentes origens jurídicas e culturais de todas as regiões do mundo, a Declaração foi proclamada pela Assembleia Geral das Nações Unidas em Paris, em 10 de dezembro de 1948, por meio da Resolução 217 A (III) da Assembleia Geral como uma norma comum a ser alcançada por todos os povos e nações. Ela estabelece, pela primeira vez, a proteção universal dos direitos humanos.

A fome é motivo tão digno para fugir quanto a guerra!

É injusta essa diferenciação de que quem foge de guerra pode ficar na Europa e quem foge da fome não tem esse direito. Sofrimento é sofrimento, morte é morte e cada vida é uma vida que merece ser respeitada e salva na hora do aperto existencial, seja ele qual for. Não existe „perigo de vida digno“ e „perigo de vida indigno“, não há desespero certo e desespero errado, não existem seres humanos de diferentes categorias.
- Caminhos recomenda -