Tag:Humanidade

O único animal que mata por ódio é o bicho homem

Não existe nenhum ser capaz de odiar como o homem. Odeia semelhantes, dessemelhantes e afins. Odeia plantas, flores, florestas, gatos, cães. Apesar de carregar o mundo dentro de si. Apesar do amor que tentam lhe ensinar. E mata. E se mata. E acabará exterminando a si mesmo.

África: o ventre da humanidade

Todos nós somos descendentes de africanos, inclusive você! Se queremos honrar/respeitar nossas origens, devemos então honrar/respeitar principalmente a África, que é a origem de todos nós.

A gentileza é o sorriso do coração.

"O mundo já sofre com tragédias demais para que ignoremos o bem que podemos fazer, contribuindo a que a vida se torne menos fria e descolorida. A gentileza é, por isso, imprescindível, pois contagia, espalha-se, multiplica-se, cura, tornando-nos mais felizes, mais humanos, mais gente."

Declaração Universal dos Direitos Humanos

A Declaração Universal dos Direitos Humanos (DUDH) é um documento marco na história dos direitos humanos. Elaborada por representantes de diferentes origens jurídicas e culturais de todas as regiões do mundo, a Declaração foi proclamada pela Assembleia Geral das Nações Unidas em Paris, em 10 de dezembro de 1948, por meio da Resolução 217 A (III) da Assembleia Geral como uma norma comum a ser alcançada por todos os povos e nações. Ela estabelece, pela primeira vez, a proteção universal dos direitos humanos.

A fome é motivo tão digno para fugir quanto a guerra!

É injusta essa diferenciação de que quem foge de guerra pode ficar na Europa e quem foge da fome não tem esse direito. Sofrimento é sofrimento, morte é morte e cada vida é uma vida que merece ser respeitada e salva na hora do aperto existencial, seja ele qual for. Não existe „perigo de vida digno“ e „perigo de vida indigno“, não há desespero certo e desespero errado, não existem seres humanos de diferentes categorias.

Conecte-se!

Siga a página de Caminhos no Facebook e acompanhe as publicações do site.

Comente via Facebook